A Garganta da Serpente
Veneno Crônico crônicas
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

SANTO ANTÔNIO, O NAMORADO DE LAGUNA

(Mafabami)

Quem nasceu na terra de Anita Garibaldi ou foi adotado por Laguna, acaba se envolvendo com Santo Antônio. Sabia que, mais dia menos dia, minha paixão por esse franciscano viraria uma crônica, embora já fosse um crônica paixão. Até eu, surpreendi-me com a ira que me acometeu no dia em que um cidadão, de outro lugar, falou: "Santo Antônio não é isso tudo". Achei o sujeito um bobalhão. Embora ele fosse "estudado" e rico. Boa grana ele ganhou aqui, inclusive. Por mais herege ou ateu que alguém seja, há que respeitar a forma que uma sociedade encontra para exercitar sua espiritualidade. Os elos, as pontes, que os povos usam para chegar até suas divindades, também são caminhos que servem de estudo aos antropólogos. Se queremos compreender uma nação precisamos observar onde mora a sua crença, onde é depositada a sua dúvida e ou sua certeza. O que o homem não explica (e há os que acham que explicam tudo), ele transforma em fé, ou símbolos, ou instâncias que o serenam, o harmonizam com o todo, com o tudo mais.

Santo Antônio não é Deus. Ele é também um filho muito amado do Pai, e um amigo muito querido da gente. Um eterno namorado de Laguna. Em "Concerto para Corpo e Alma" o psicanalista, teólogo e professor da UNICAMP, Rubem Alves diz "Palavras são gaiolas. O falado é aquilo que a razão engaiolou. Um Deus que pode ser engaiolado por palavras não é Deus. Deus é "Pássaro Encantado". Para ele não há palavras".

Para os lagunenses, Santo Antônio, é um referencial fortíssimo da espiritualidade. O compromisso amoroso recíproco, entre Santo Antônio e os lagunenses, iniciou-se em 1676.

Nesse ano, Domingos de Brito Peixoto batizou esta terra de Santo Antônio dos Anjos da Laguna.

A utilização dos ensinamentos de Antônio, nascido Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo que, abrindo mão de riquezas pregou o amor ao próximo, é uma excelente forma de prática religiosa.

Em Laguna, desde o humilde, até aquele que tem poder, desde o idoso até a criança, todos aguardam e vivenciam os festejos Antoninos com grande alegria. No dia dos namorados, em 12 de junho, que antecede o dia de Santo Antônio, é sempre bom dar "uma faladinha em particular com Ele". Se o seu amor é puro e verdadeiro, garanto que Antônio dará uma força. Conforme Colombina, poetisa paulista, "Nós sempre temos vinte anos num canto do coração". Além da fama de casamenteiro, Santo Antônio é invocado para restituir objetos perdidos. Com certeza outros cronistas trarão mais conhecimentos da vida desse Antônio, que nasceu em Lisboa (Portugal) e depois foi para Pádua (Itália). Oradores, nas maravilhosas trezenas cantadas pelo coral que leva o nome do padroeiro, garantirão a biografia do nosso homenageado. No ano passado, ganhei de presente, uma viagem pela serra gaúcha. Casais de Laguna e Tubarão organizaram a excursão em conjunto. Nada revelei sobre o meu aniversário que acontecia naquele final de semana. Queria curtir no sossego. Já no sábado, pela manhã descobrimos que o padroeiro da cidade era também o Santo Antônio. Com a igreja bem pertinho do hotel, aquela noite junina tornou-se especial. Foi muito bom ir encontrar e rezar diante daquela imagem, embora pertencente a outra igreja, e longe da nossa Laguna. Celebramos de forma silenciosa, e secretamente feliz. Foi ótimo completar meio século lá em Bento Gonçalves. Em clima de festa íntima eu e Santo Antônio!

Se milagres desejais...

  • 2044 visitas desde 8/07/2006
  • Publicado em: 13/06/2003
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente