A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Do convívio

(Tamara Costa)

"O que desejas de mim
nunca o dará o lampejo de um momento,
a conquista de um dia da montanha.
"
Lupe Cotrim Garaude (Ao amor, trecho)

Tinha o peito empinado. Recitava com peso, mãozinhas duras, dedos e juntos poemas de métrica e gosto fino. Dizia-se curioso, amante das obscuridades e ornamentos causáveis. Dizia-se. Por conta de uma circunstância circusa, cisão de cu entre outras palavras e gestos negados abaixo do tapete ou grudado em baixo das cadeiras, lhe foi vetado o bico e as fodas várias. Fazia amor e pouco Amália no escuro e só em pensamento o gozo prolongava. Nunca se irritava. Sabe-se que as fúrias acabam agindo como expelidor de cães. Estes ficavam presos em casa, na área externa com uma venda na boca. Rumores barulhos pra dentro, de puro pra fora. Que um dia Amália resolveu deixar a cabana. Cabana de dois para morar perto do rio e das lamas. Dentro e fora da casa porque só depende da limpeza que se faz. Se for pra dentro limpo com desodorante ou alvejante se é pra fora chuva que leva pra dentro. Não tem saída. A casa enforca conforme o descuido. Pensar que um dia a água derramou e foi a caminho da barragem, encontro das águas e ali não sobrou nada. Na caixa. As reservas não foram cumpridas como os porcos de palha e pau. Penso que pau seja o meio-termo do descuido cuidadoso, como o sujo-limpo ou o detalhe do desarrumado. Penso que ele seja tijolo de morada certa. Quando concentrada no arrume da casa Amália loba descuidava de propósito as almofadas jogadas ou um lençol sobrando pra fora da cama ou a cortina de um lado aberta e do outro rasgada. Fazia diferença não deixar nunca clara ordem e progresso no processo de conviver porque a decepção seria mais facunda. Ou que fosse mais claro as obscuras que fosse mais claro que ali por dentro fecundo útero e amamentação, mas também defesa e ataque. Assim de foice por trás enquanto você dorme. Não precisa disso não tem alarme porque o passo é o passo. É só começar perna ante perna, dia pós dia, convivência e costume. Deixar a mata pra trás que não entrava. Na cabeça ou no corpo. Fechar tanto as portas da convivência não entrava. Amália Odiália sim a partir daí seria possuída caos e não se culpe não possibilite. Crua, ele ali tenso peito duro de portas fechadas para o vento. Amália de foice tempestade e poucos pensamentos ali fora recolhendo folhas úmidas.

  • 2428 visitas desde 12/07/2005
menu
Lista dos 2201 contos em ordem alfabética por:
Prenome do autor:
Título do conto:

Últimos contos inseridos:
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com.br