A Garganta da Serpente

quemviververah

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Que Amor é esse???

Que amor é esse que não se aquieta e me deixa desse jeito? Que paixão é essa que estava adormecida e agora se rompe com garras de aço rasgando meu peito? Será que isso é sano? Ou todo amor é insano? Paixão voraz repentina queima e arde de dentro pra fora, não marca lugar nem hora para fisgar sua sanidade. Quem dera que eu pudesse saber a data, saber a hora exata que te encontraria aí então esse coração que anda inquieto se acalmaria e eu não sofreria tanto. Lembro-me ainda de você quando era apenas uma adolescente, seu olhar era incandescente, assim do tipo que queima sem machucar, sabia que você cresceria até chegar o dia em que eu poderia dizer do amor que sempre guardei por ti. Queria eu poder te mostrar, mas de mim que apenas uma tela fria onde ao invés das teclas você tocaria além do meu corpo o meu coração.
Pensar em você é como tentar tocar o ar, sabemos que existe, porém, está inatingível, o mais simples de seus sorrisos é como o despertar em um dia ensolarado onde se sente o sabor da vida, a mais pura e magnânima essência de vitalidade derrama por seus lábios e repousa tênue em águas cristalinas de onde percorrem por lindos vales onde se sente o seu aroma feminino, seu cheiro trás prazer e desperta o lado masculino e viril que brota do meu interior.
Sei que um dia você será minha assim com sei que após a noite nasce o dia. Aguardo pacientemente há minha hora, há nossa hora, onde em sintonia com o seu estará o meu coração. Aguardo paciente tentando só pensar no presente, pois se eu pensar no futuro acabo pirando de loucuras por ti. Dentro de mim o tempo para tudo em meu peito se congela só para um dia ter você comigo.


(quemviververah)


voltar última atualização: 31/10/2008
4968 visitas desde 31/10/2008

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente