A Garganta da Serpente

Quelyno Souza

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

SENSIBILIDADE

Toma conta de mim
Ata as minhas mãos
Na cabeceira da cama

Beija suavemente
O meu piercing no umbigo
E diz que me ama

Na minha pele sensível
Costura uma cega paixão
No bico do meu peito

Uma segunda pele
Sente meus pêlos
Na sua pele

Arrepia os meus pêlos
Arranha a minha pele
Me faz perder o fôlego

Quando fecho os olhos
Alivia meu corpo
Sinto o clímax


(Quelyno Souza)


voltar última atualização: 05/02/2008
12061 visitas desde 16/09/2007

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente