A Garganta da Serpente

Quelyno Souza

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

SUA FARSA

Meia palavra é jogar palavra fora
Num dia ensolarado ao meio dia
Ela já não me namora
Na meia noite madrugada fria
Me pede meia hora
Volta e meia, e eu volto
E pergunto por que não agora?

Me beija e abraça
A meia-luz
De meia-calça
Seus meios me seduz
E a noite logo passa
Caio mais uma vez
Na sua farsa

O dia logo amanhece
Esqueço as horas
O coração fica partido
E o peito chora
Vou parar na rua
Sentado no meio fio
Vejo ela e a lua indo embora


(Quelyno Souza)


voltar última atualização: 05/02/2008
12018 visitas desde 16/09/2007

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente