A Garganta da Serpente

Luc Gabriel

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

POEMA BLASÉ

Da fuligem pegajosa,
Que é seiva,
Retiro o indispensável e me desenvolvo.

Cuspo flores, arroto frutos,
Idiossincraticamente contribuo com meu colorido
Pobre e pastel.

Nuances duma paisagem cinza,
Na qual me adequo, me destaco,
E sobretudo sobrevivo,
Minha maior qualidade.

Mas aí minha estação chega,
E com o outono se vai minha roupagem, meu pudor.
Desnudo, posso mostrar quem realmente sou,
Ser vivente camuflado de parede.


(Luc Gabriel)


voltar última atualização: 25/09/2006
5325 visitas desde 20/08/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente