A Garganta da Serpente

Luana Poeta

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

ESTRELAS

Estão sempre lá
             eternas em anos-luz
                                    distantemente
                                    juntamente formam figuras
                                                          mitológicas
                                              geométricaslógicas
                                              ilógicasaritméticas
estão em numéricas infinitidade
                       em céu exantematizado
                                              magnetizado
                                    de brilhos e cores
até então ficarem finitas
             quando as luzes metropolitanas apagam seu brilho
                                    de tanta vivacidade
                                    mortalidade surge
perdendo todo o brilhantismo de quem as formou,
                       inutilmente fugaz claridade
                       que futilmente ilude nossos olhos
no modernismo que apaga a perfeição
                                              a lucidez
                                    em ver a simplicidade
                                              de viver.


(Luana Poeta)


voltar última atualização: 10/05/2017
18036 visitas desde 26/11/2009

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente