A Garganta da Serpente

Luana Poeta

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Passageiro

Todos juntos

             todos amontoado,

aperto passageiro

                          passageiro que passa

                                       no momento acelerado

                          junto a paisagem

                                       pairando no olhar

em poucos minutos longos

                                       horas de passagem

             do passageiro tempo

                                       em aceleração

de todos em únicos

                                       passageiros comuns

                                                    que vão sobrevivendo

                          naquele momento passageiro.

No mesmo trajeto de todos,

                                       do motor latejante

             no balanço dos solavancos

                          dos rostos mansos do trabalho duro,

                                       todos para o mesmo destino

                          em ser passageiro.

Naquele instante

instantâneo enquanto pensa-se

                                       em passar aquele momento

                          de qualquer maneira,

                                       vai passando tudo

             em minutos eternos

                                       de segundo lentos

             remoendo o asfalto

                          que nunca passa

que nunca deixa de

                                                    ser passageiro.

Vai tudo indo de passagem

                          sem ficar aroma ou desejos

                                       sem saudades

                          daqueles instantes eternos.


(Luana Poeta)


voltar última atualização: 10/05/2017
18040 visitas desde 26/11/2009

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente