A Garganta da Serpente

Luana Poeta

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Lixo

Lixo

          irrita

tratados como bichos

                        apenas subalternos,

          eles em ternos exatos

                        moldes do mundo

                                                  ufano

                                                  profano

                        enviar para nós

          somente lixo

                        está escrito no bilhete:

          "é apenas lavar antes de usar"

antes que as crianças brinquem

                        com o resto do mundo.

Em containeres

                        o lixo veio

                        sob efeito moral,

o pais desenvolvido,

          aqueles ditos certos

                                  exatos

          fazem do mundo abaixo

                                  o seu depósito,

                        a propósito

          pobre de nós

se não fosse o lixo deles

          que dá o divertimento às nossas crianças,

                                                            o alimento

                                                            o vestimento

                              o que pensam...

Pára! Pára!

Querem que pense isso

                        Absurdo

                        obsoleto pensamento

          solidariedade

                        cortesia do mundo rico,

presente em 64 containeres;

                        o resto do mundo encontra-se aqui,

abaixo da linha do Equador

                        linha imaginária

          o que divide?

          Acredito que somos todos iguais!

Queria acreditar editar

                        deletar,

por isso resta o lixo não reciclável

                                                  residual

                                                  intransponível

que cruza o oceano

                              para ser despachado

                                                  descarregado.

O que fazer?

Onde colocar tanto desrespeito

                        o depósito da sua poluição

                                                  da sua destruição:

                        inconseqüentes containeres.

Somos somente aterro sanitário de plástico

                        de restos banheiros ecológicos privativos

                              em moldes hipócritos

que tanto protege os interesses ecológicos

                        e apenas despacham o seu lixo

para o mundo dito subdesenvolvidos

                                                  subvidas

                                                  subordinadas,

deste ordinário mundo em que vivemos.


(Luana Poeta)


voltar última atualização: 10/05/2017
18042 visitas desde 26/11/2009

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente