A Garganta da Serpente

Luana Poeta

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

POR TANTO

I

Corações borrados

                                  machucados

por tanto desarranjos,

portanto marcas inapagáveis

                                  escritas por anjos

que acho que devem ser pagáveis

                 com dólar ou real,

                                  na real

                 não estou nem aí,

estou nas nuvens de corações cicatrizados

                                                   encouraçados

                                                                    impenetráveis,

querendo um descanso,

mesmo que seja em vendaval de incertezas,

                                                   maremoto de desejos,

                                                                                     em terra fria,

                                                                                                      em friável deserto.

Corações inflamados,

                 produtos inflamáveis,

                                  abrasão,

explosão de corações ensanguentados,

                                                   chamejantes

que fazem sofrer por um único ser:

                 bate,

                 bate lacrimejante coração,

até apanhar por completo,

                 incompleto ser nunca aprende,

então bate incansavelmente,

                 inconsolavelmente,

                                                   ser egoísta,

                                  coração de pedra,

                                                   de ferro

que derrete com muito pouco de aquecimento,

                                                                    afeto,

                 pois se parar.

Para tudo,

Silêncio

                 oco

                                  vazio,

a vida não faz sentido.



II



Sentido

Sentimento

                 sente-se

                                  inala,

                                                   exala

exata insensatez

lucidez ilógica

                 a procura do óbvio

que nunca sacia o desejo de ser desejado

que se encontra na ânsia

                                                   na ausência

                                  em plena agonia

                 de ser só.


(Luana Poeta)


voltar última atualização: 10/05/2017
18043 visitas desde 26/11/2009

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente