A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Quase sem querer

Tenho andado distraído
impaciente e indeciso
E ainda estou confuso
só que agora é diferente
sei que é tudo quase sem querer

Quantas chances desperdicei
quando o que eu mais queria
era provar pra todo mundo
que eu não precisava
provar nada pra ninguém

Me fiz em mil pedaços
pra você juntar
mas você não pôde juntar,
seus pedaços
já não combinavam com os meus
E o mundo não parou
enquanto eu juntava meus cacos

Eu queria sempre achar
explicação pro que eu sentia
E descobri que tudo que eu sentia
era a explicação

Fiz questão de esquecer
que mentir pra si mesmo
é sempre a pior mentira

Mas não sou mais
tão criança
aceito minhas derrotas
com a graça de um adulto

Mas não sou mais
tão criança
a ponto de saber tudo

Já não me preocupo
se eu não sei por que
Às vezes o que eu vejo
quase ninguém vê
E eu sei que você sabe,
não importa
o quanto você se importe,
algumas pessoas
simplesmente
não se importam

Nossas dúvidas são traidoras
nos fazem perder
o bem que poderíamos conquistar
se não fosse o medo de errar

Por que não aceitamos o erro,
se ele é natural e necessário?

Tenho andado distraído
impaciente e indeciso
e ainda estou confuso
só que agora é diferente
sei que é tudo quase sem querer

Tão correto e tão bonito
infinito é realmente
um dos deuses mais lindos

A vida é infinita
A vida é perfeição
A vida é imperfeição

Na vida tudo é passageiro
mas as emoções que podemos deixar
duram a eternidade

Me disseram que você
estava chorando
e foi então que eu percebi
como te quero tanto


(Lily)


voltar última atualização: 14/06/2010
3431 visitas desde 14/06/2010

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente