A Garganta da Serpente

Heloisa Galvez

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Holandês Voador

Holandês Voador
Navio fantasma do mal
Voador, não sei quem diz
É pelos oceanos que vaga
E vagará eternamente
Tripulação fantasma
Aparece de repente
Bernard e sua gente
Atacam como serpente
O bom de se estar morto
É não ter medo de morrer
Penso ser uma pantomima
Da minha própria vida
Terra a vista jamais,
Jamais porto, jamais cais
Quebrei também as regras
Joguei dados com demônios
E trapaceei...
Da gávea só o oceano e o além
Porventura um outro navio,
Diversão da solidão
Naufragar este também...


(Heloisa Galvez)


voltar última atualização: 26/10/2010
30973 visitas desde 26/07/2007

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente