A Garganta da Serpente

Heloisa Galvez

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Bolinha de Borracha

A estrela sumiu
Faz muito tempo
Senti tanto sua falta
Morri um pouco no vácuo
Faltou ar, faltou água.
O chão sumiu,
Desanimação suspensa
Fiquei presa em Cronos
Anos...anos

Nesse tempo
Uma bolinha de borracha
Bateu na minha testa
A tal da testa aberta...
Entrou
Como tudo ali sempre entra
Ficou
Trapeziou
Me deslocou
Me entreteu

Foi então
Que a estrela, quem diria.
Apareceu
Voltou pra mim
E eu pra ela
Toda animada

Gira mundo
Mente gira
Gira estrela
Pula bola
Estrela na mão
Não quero mais
Entendi...
Sonhos racham
A estrela me consome
E eu só consigo pensar
Na bolinha de borracha


(Heloisa Galvez)


voltar última atualização: 26/10/2010
31038 visitas desde 26/07/2007

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente