A Garganta da Serpente

Heloisa Galvez

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Via Crucis

Seguro com as mãos, paredes invertidas,
pervertidas pelo mofo gerado entre os tijolos
da minha própria vida...

Ah! Tijolos de tal olaria!
Dela veio o barro ordinário, em mim posto
Imposto com larvas, mescladas com a lama.
Que não me queria...

Fui assim feita em patamares grudados com lodo
Sumariamente cerzidos tortos
Construídos como se constroem as lápides profundas
Cuja forma não importa,
pois suposto é, que nada vêem,
insetos, vermes e mortos....


(Heloisa Galvez)


voltar última atualização: 26/10/2010
31036 visitas desde 26/07/2007

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente