A Garganta da Serpente

Heloisa Galvez

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Passos

Quandonasci
Puseram fios em minhas mãos
Pés, cabeça, costas, boca.
Vestiram-me com certa roupa
No palco dei os primeiros passos

Passos valentes, passos em falso...

Tantas vezes recebi aplausos
Quantas me quebrei inteira.
Na queda direta
Seqüelas perpétuas
Do cadafalso

Passos valentes, passos em falso...

Um dia meus fios caíram
Percebi certa autonomia
Andava, falava e ainda caia...
O palco deixou de ser moradia
Ia e vinha...

Passos valentes, passos em falso...

Enfim conheci a morte
Senhora soturna, belíssimo porte.
Aprendi que sou igual a você
Você também tem fios
Glórias, desafios...

Passos valentes, passos em falso...

A vida é o palco de gozo e horrores
Vaias, aplausos,
Cadafalsos, abraços.
O palco é a vida...
E a vida é feita de passos

Passos valentes, passos em falso...

Por isso jamais
Desmarque algum ato
Desse espetáculo;
Cavalo de carrossel
Boca de tubarão...

Passos valentes, passos em falso...
Que passarão...


(Heloisa Galvez)


voltar última atualização: 26/10/2010
31037 visitas desde 26/07/2007

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente