A Garganta da Serpente

Heloisa Galvez

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Hipocritacriptamente

Ai Neruda, Florbela, ai Vinícius...Ai!
Não me levem a mal
Mas poesias de amor já embrejou faz uma cara
Passo mal...

Ó meu amor, que saudades tuas!
Ah, quantos dissabores nessa vida!
Onde estarás tu na noite escura?

Nossa que prefiro o buo da coruja...

Amor é amor e sobre ele tudo já foi dito
Que é lindo, que é dor, que é divino...
Que nos mata, nos revive...
Até eu hipocritacriptamente,
'Inda escrevo sobre essa sandice
Demente...Mas olhe que meu verso mente...
Ou inventa, pra escrever de outro jeito...
O tantas vezes, melhor dito
Amor maldito!

Ai Pessoa, Bilac, ai!
Ai pior; poetas suicidas!
Morrer de amor, nomelocreo...
Tanto mel enjoa...
E eu que ainda tô nessa
Faço agora uma promessa
Poemas de amor nunca mais
Talvez um ou outro...
Capaz...


(Heloisa Galvez)


voltar última atualização: 26/10/2010
30976 visitas desde 26/07/2007

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente