A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

lâminas

ancoro estas utopias
em asas de borboleta
hastes duplas
delicadas
e precisas
como lâminas de cortadeiras

meus olhos já foram inundação
e secaram tantas outras vezes
(e medraram nos esquecimentos)

açude pisado no barro
das estrelas desta noite

respire o frio possível
no ar da alunagem

(as rãs
em concerto
vigiam a nova prole)


(Edson Bueno de Camargo)


voltar última atualização: 23/05/2017
31411 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente