A Garganta da Serpente

Aurelino Costa

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Alentejo
Chicote do tempo
Neste xisto de memórias
Sem reformas!

Só o peso dos anos
Sem misericórdia
Se despe do íntimo
De ser Português.

Até quando,

Se o que baila de lírico
Não é o trigo

(Nesta idade do "euro", para Eugénio)
e suplica que lhe paguem o serviço

(Poema do livro "Na Raiz do Tempo")


(Aurelino Costa)


voltar última atualização: 09/03/2009
12201 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente