A Garganta da Serpente

Arthur Accioly Pereira

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A Farsa do (Ser)

19 anos mal vividos na boa vizinhança
Digerindo informações, vomitando simpatia
Cegando meus olhos do infinito de outrora
A anti-embriaguês bizarra do ser normal.

Eis a topada vivificante, ressentir-se como o antes
que nunca foi, por ter medo de ser o que sou.
Tentar domar o indômito, tentar reviver o necrosado.
Passar de mão em mão, língua em língua, sonho em sonho.

Buscar algo. Quem tem as respostas?
Tragar algo. Minuciosamente testado, aprovado
e indicado por todos.
A insone maldade das conveniências e do egoísmo.
Sorvendo tudo. Todos. Eu mesmo, em meio ao meu deserto.

Sou um mestre na arte de ser o que não sou
Sou um mestre da arte do suicídio carismático.
A morte absoluta de Manoel Bandeira. Quero morrer!
Quero reviver sendo quem nunca fui. Eu mesmo.

(Arthur Accioly Pereira)


voltar última atualização: 29/11/2004
3012 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente