A Garganta da Serpente

Arneyde T. Marcheschi

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Dedo de prosa com Deus.

Hoje resolvi conversar com Deus,
abri minha caixinha de dúvidas
quero desfilar meus anseios
saber o por que de tantos receios.
Uma conversa sincera, simples
ao pé do ouvido,
sem palavras rebuscadas e bonitas,
sem mágoas, sem revoltas
apenas tentando entender...
Mistérios escondidos
que luto tanto para clarear.
Ruas cheias de desabrigados
miseráveis abandonados
corações carcomidos
sofridos,destruídos.
Crianças subnutridas
mães desesperadas...
sem nada para lhes saciar
a fome, a sede,o frio
a insensatez da triste sina.
Drogas, estupros,carnificina,
ciclones destroçando cidades,
matança entre homens
ódios assolam na multidão,
são tantos questionamentos
tantas coisas para entender...
Deus,meu Pai amado
por que tanto infortúnio,
por que seus filhos morrem
a mingua,desabrigados,
esquecidos da própria sorte...
Por que governantes se perdem
num mar de hipocrisias,
colocando em risco, seus filhos.
Por que o rico o pobre
diferenças sofridas na carne
dilacerando a alma
trucidando o coração.
Me desculpe a ignorância
talvez ate minha demência...
mas por mais que procure
respostas...
entendo menos
fico aqui triste,desolada a sofrer...

(Vitoria.E. Santo 04/05/2007)


(Arneyde T. Marcheschi)


voltar última atualização: 26/11/2009
14638 visitas desde 01/07/2005

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente