A Garganta da Serpente

Arneyde T. Marcheschi

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Renascida das saudades

Quando você me disse adeus,
olhei o horizonte com os
olhos marejados d'água, e
em sua amplidão,encontrei
somente nossas lembranças.

Um desejo louco,de correr
ao seu encontro,e gritar:
Não vá...fique aqui comigo....
Mas sei que tudo que fizesse
era inútil, você já não mais
me ouvia...nada sentia...

Havia feito a passagem
e eu não conseguia atravessar
essa terrível ponte que nos
distanciava cada vez mais....

Me agarrei ao desejo louco,
de abraça-lo uma vez mais,
fui invadida pelo passado
com tamanha intensidade que
por momentos senti-o presente.

Sofri, muito chorei,
flagelei meu corpo, minha alma
tranquei meu coração,
meu mundo era a solidão
e somente escuridão.

Por anos sobrevivi aos desejos
da carne...
mas toda vez que olhava seu
retrato lia nele,as palavras
Viva...você está viva...

Hoje encontrei alguém a quem
dedico afeto e afeição,
muito carinho e compreensão
é um amor diferente...

Você na vida para mim foi tudo,
até além vida me deu esperanças
forças, para recomeçar....
Hoje resta-me viver de lembranças
da saudade gostosa de nossa
feliz e serena convivência,
que tempo algum jamais irá
apagar....

(Vitória.E.E.Santo 31/01/2007)


(Arneyde T. Marcheschi)


voltar última atualização: 26/11/2009
14624 visitas desde 01/07/2005

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente