A Garganta da Serpente

Armando Sousa

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Os seios

Perdoa-me mulher, vida mais bela do mundo
Teus seios, para onde olho desafiam o meu amor
E o lugar mais sagrado, jardim, o botão da flor
Deixa para eles olhar, meu pensamento e mundo

Seios, tesouro de mulher, vezes me fizeram calar
Neles deitados, do medo tantas vezes me escondi
Seios são a minha vida, são sacrário de meu altar
São a doçura do sonho, onde eu neles adormeci

Seios mulher, destes a vida ao mundo, sonho do lar
Onde olhos se pousam, tesouro de todo o desejo
Sois vos, que a tristeza do homem fazeis espalhar

Seio, onde todos os lábios de amor querem pousar
Descrevendo o quanto amam no sabor de um beijo
São hóstias sagrada que todo o homem faz ajoelhar.


(Armando Sousa)


voltar última atualização: 08/03/2011
23710 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente