A Garganta da Serpente

Armando Sousa

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Cara de Mulher

Cara de mulher que a natureza pintou amorenada
Uma deusa para mim, faz-me vibrar o coração
Corpo ao feminino, coração macio, luz amada
Só, sem enfeites; nua; uma fortaleza de paixão.

Olhos verdes azeitonados; estrelas que brilham
Movendo, rindo, douram a paixão de meu viver
Fazem cantar as cordas, que os olhos dedilham
Tu amor, nasces-te belo jardim; que doce mulher.

Amor, até a natureza te amou a pintar teu rosto
Tornou-te ladra de corações; só de mim tesouro
Na tua face morena a natureza fez maravilhas.

Pintou uma deusa carnal, sem um traço insosso
Cingiste minha fronte com tua coroa de louro
O corpo que a natureza te deu, comigo partilha.

(06/10/2010)


(Armando Sousa)


voltar última atualização: 08/03/2011
23705 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente