A Garganta da Serpente

Antonio

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

O FINGIR DO AMOR

POSSO FINGIR? DEVO.
MAS E QUANDO TI OLHO?

AGORA VIVO
NOS PLANALTOS IMUNDOS
ENTRE A MORALIDADE E A RACIONALIDADE

MAS SEU OLHAR
ME AMOLECE, DESCONCENTRA
UM SIMPLES ATEU, PAGÃO E CRISTÃO

VIVO MEU PRANTO
SEM ENCANTO...
AS VESTES DE UM NOVO SANTO

MAS TEU OLHAR ME DIZ
ENTRO DENTRO DE MINHA ALMA
E SOFRO POR NÃO PODER, JAMAIS

SENTIR E FINGIR,
O QUE A ALMA PENA!


(Antonio)


voltar última atualização: 09/10/2008
7131 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente