A Garganta da Serpente

Antero de Quental

Antero Tarquínio de Quental
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

ESTOICISMO

Tu que não crês, nem amas, nem esperas,
Espírito da eterna negação,
Teu hálito gelou-me o coração
E destroçou-me da alma as primaveras...

Atravessando regiões austeras,
Cheias de noite e cava escuridão,
Como num sonho mau, só oiço um não,
Que eternamente ecoa entre as esferas...

- Porque suspiras, porque te lamentas,
Cobarde coração? Debalde intentas
Opor à Sorte a queixa do egoísmo...

Deixa os tímidos, deixa aos sonhadores,
A esperança vã, seus vãos fulgores...
Sabe tu encarar sereno o abismo!


(Antero de Quental)


voltar última atualização: 30/05/2017
10050 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente