A Garganta da Serpente

Antero de Quental

Antero Tarquínio de Quental
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

IGNOTUS

Onde te escondes? Eis que em vão clamamos,
Suspirando e erguendo as mãos em vão!
Já a voz enrouquece e o coração
Está cansado - e já desesperamos...

Por Céu, por mar e terra procuramos
Espírito que enche a solidão
E só a própria voz na imensidão
Fatigada nos volve... e não te achamos!

Céus e terra, clamai, aonde? aonde? -
Mas o espírito antigo só responde,
Em tom de grande tédio e de pesar:

- Não vos queixeis, ó filhos da ansiedade,
Que eu mesmo, desde toda a eternidade,
Também me busco a mim... sem me encontrar!


(Antero de Quental)


voltar última atualização: 30/05/2017
10061 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente