A Garganta da Serpente

Annie Nogueira

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

TUDO O QUE RESTA

Tudo o que resta são restos ricos,
lembranças podres, eram viços?
Um sonho poético, amaranto
hoje é vivo, apenas neste Recanto.

São olhos abertos
enfim despertos.
Findando a cegueira
rumo à nova ribanceira.

Tudo o que resta é essa alma louca
buscando o pior de si, não é pouca?
Saber-se igual, apenas humana
forma abissal, agora profana.

Foi o belo inventado
tão crente e multifacetado.
Vez que nasceu e morreu, sécio
ora só existia aos olhos de Aécio.

Tudo o que restou agora se foi
outrossim era anja, hoje é choi.
Um cheiro, um cismo, uma incompreensão
eram a cura, hoje é perversão.

(Annie Nogueira)


voltar última atualização: 08/04/2008
10369 visitas desde 08/04/2008
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente