A Garganta da Serpente

Annie Nogueira

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

VERSO QUE ME GOZA

És a mão forte
no gemido e no corte.
Um beijo mordido
suspiro incontido.

És a pegada voraz
que sempre vem por trás.
Um aperto que não me dói
molhar que não me corrói.

És a saliva que não lambuza
simplesmente me abusa.
A língua que me sacia
novamente me cria.

És o perfume que aspiro
em teu cheiro nem oscilo!
A pele que se me acende
gozo que se pressente.

És o sorriso que me ostenta
num rio que me contenta.
Um viver que é pleno
êxtase sereno.

És a alegria no meu sentir
apenas aguardando o porvir.
Querer que não é prosa
verso que me goza.

És o que eu queria
apenas não sabia!
E quero mais
não me saciais!

Volte-me...
que te espero!
Ame-me...
que me entrego.

(11/01/08)

(Annie Nogueira)


voltar última atualização: 08/04/2008
10367 visitas desde 08/04/2008
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente