A Garganta da Serpente

Anna Apolinário

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Meu Desassossego

Ah como eu saberia!
Oscular os seios da Noite
E às tranças da Musa aninhar-me,
Ou do cálice dum fauno célebre,
Por entre sonhos sorver.
Mas nunca do amor,
O fardo hei de dissipar.


(Anna Apolinário)


voltar última atualização: 03/07/2009
4333 visitas desde 03/07/2009

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente