A Garganta da Serpente

Anna Apolinário

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Madrigal

Ó falo que molhou de orvalho
a flor escarlate maldita.
Ó anjo embriagado
solto na neblina.
Unge meu sexo
fecunda meus deuses & lírios.
Cativa-me, com o calor
do gozo assim desmedido.

Ancorei meu verso
num mar de saudade
que inebria.
me dissolvi ao vento
feito areia movediça.
confabulei com a noite
aflições de um amor lírico.
enquanto coroavas meu ventre
para fazer nascer o fruto da nossa poesia.


(Anna Apolinário)


voltar última atualização: 03/07/2009
4334 visitas desde 03/07/2009

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente