A Garganta da Serpente

Angela Oliveira

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

ZEZÉ

vim duas vezes do teu ventre
cheguei num leve compasso
de espera de gerações...

no teu rosto jovem e belo
marcas tímidas da minha tez
se revelam disfarçadas...

caminhei pouco ao teu lado
mas carimbei no meu destino
o selo particular da tua história...

hoje, revejo o teu retrato guardado
no álbum amarelado de fotografias
que o tempo transformou em saudade...

das mulheres da minha identidade
és o meu dito sentenciado em promessa
para modelar a mais forte em mim...


(Angela Oliveira)


voltar última atualização: 16/04/2007
12659 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente