A Garganta da Serpente

Angela Oliveira

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

SONHO

Hoje acordei
Com uma saudade doce
Entrando pela janela
Não disse nada
Fiquei olhando
Era uma fada
Dos velhos contos...

Num sorriso leve
Reacendeu lembranças
Do tempo de infância
Nem percebido distante
Como se a vida não tivesse
Passado com tanta pressa...

Cerro os olhos com calma
Para não perder o encanto
De rever a linda quimera
Onde lugar não havia
Para tristeza e pranto

Pulei amarelinha
Elevei ao ar petecas
Rabisquei caracóis
Rodopiei nas cirandas
Balancei ao vento
As longas tranças...

No vai-e-vem do balanço
Embalei meus sonhos
Fui Terezinha de Jesus
Passei anel e escolhi" uva"
Fiz doce com sinhá Maria
Fui na casa do Juquinha
Visitei Samba- Lelê
E andei sobre pedrinhas
Todas de puro brilhante...

Ainda não abri os olhos
Vim fazer esses versos...


(Angela Oliveira)


voltar última atualização: 16/04/2007
12661 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente