A Garganta da Serpente

André Luis Aquino

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Dono do mundo

Se eu fosse o dono desse mundo
Nenhum de nós morreria
Escuridão nunca mais haveria
E um milhão de amigos qualquer um teria

Mais se eu fosse o dono do mundo
Nada seria de ninguém
O mal sempre seria bem
E um viraria cem

No meu mundo de sonho
Todos vão achar, o que foi um dia perdido
Aquele por quem você se diz apaixonado
Será sua esposa ou marido
E tudo que começou será acabado

Sendo dono do mundo
Transformaria dor em amor
Desentendimento em amizade
Tudo seria presente e nada passado
E acabaria com a saudade
Porque todos viveriam lado a lado

No meu mundo
Um seriam dois
O ontem seria o agora e o antes o depois
E toda pessoa seria feliz comendo só feijão com arroz

Nesse meu mundo da lua
Não haveria rua
Nem estrada
O tudo seria o nada
Todas as dividas seriam perdoadas
As pessoas esquecidas poderiam ser lembradas
E mesmo que você não tivesse ninguém
Você seria alguém

Mas como eu não sou dono do mundo
Fico pedindo a Deus
Seu verdadeiro dono
Que nos dê consolo, força, refúgio e abrigo
Nos afaste do mal e nos aproxime do bem
E nos proteja das ameaças e do perigo
Amém.


(André Luis Aquino)


voltar última atualização: 02/01/2004
8450 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente