A Garganta da Serpente

Andre de Lemos

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

_____________________ ("Teu Nome")

Vai, nega o teu passado recente.
Negue o que quiseres, menos teu nome!
Teu pai, tua mãe.
Tua crença e fé em Jesus Cristo.
Negue teu país. Negue.
Mas não negues teu nome!

Sei que, ao final, negarás negar.
Mas faças como quiseres.
Digas o que lhe aprouver.
Desde que o faças logo.
Poupe-me a ladainha, pois tenho pressa.
E ponha-te daqui para fora.
Mas não negues teu nome!

Vai, nega tudo! Não, quase tudo!
Nega que foges... E corra!
Salve-se dos demônios.
Eles se aproximam nas noites solitárias.
Sim, eles te acompanham
quando teus deuses caem no sono.

Onde quer se esconder agora?
Nega que te escondes?
Tudo bem. Cerca-te de novos deuses,
Pronto! Não estais mais a sós!

Toda semana deuses novos.
Deuses falhos, paixões escorregadias.
Divinos que adormecem,
Quem diria, malditos deuses,
Têm prazo de validade!

Novamente, negues quase tudo.
Vai, nega de novo. Como não?
Nega sim, nega o pavor do escuro!
Negues ojeriza da solidão.
Nega asco da monotonia
E da mesmice.
Negas que choras escondido?

Ora, vais me contar sua história?
Pois muito bem. Conte-a novamente.
E de novo e de novo.
Conte-a, vamos!
Abusas nos adjetivos. Gosto disso!
A forma não lhe importa.
Bom, muito bom.
Lambuza sua história, a polua bem.
Destrua a velha narrativa.
Faça de novo e de novo.
Negarás tudo outra vez!

Sempre uma história nova.
O mesmo nome.
Diga quem és.
Que sois uma pessoa divina!
Isso! Diga mais uma vez...
Diga de novo! Com força, grite!
Goze ao som das palavras que proferes!
Aproveite, amanhã serás outra pessoa.
Uma vida diferente.
O mesmo nome, porém.

Nega que foges?
Em fuga, sim! Fuga de quê? De quem?
Não importa, nunca importou.
Teus demônios são teus, só teus!
Eles não se escondem.
Tu te escondes!

Mas negarás isso também.
E negarás que me amas.
Que quisestes algum dia meu bem.
Vá, fuja e leve consigo teus demônios.
E os pobres miseráveis desta semana.
Negue que são teus os pés que são de barro.

Negue o perdão.
Negue o desejo.
Negue a traição.
Sim, seja blasé!
Negarás vestir a carapuça!

Só lhe peço que não negue teu nome.
Não negues teu nome, nunca!
Não negues teu nome.
Teu nome é ____________________.


(Andre de Lemos)


voltar última atualização: 08/02/2011
2965 visitas desde 08/02/2011

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente