A Garganta da Serpente

Andityas Soares de Moura

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

MOMENTO RUDE

O suave

O pérfido

                         o perdido

viciam nossas viagens

Havia uma estrada e um rei cego
plantando agriões azuis, havia uma
pequenina donzela e suas pequeninas botas
E como os cogumelos cresciam alegres,
parvos ! Tristíssimos patos ainda
sopravam ( inconfessáveis ! ) trombetas.
Um país de pipoca e
roda-gigante. E tudo que sorvia
era vida

Por desejar o dia, as rosas exalam perfumes

luzes vermelhas ofendem
as frestas das vidraças
              deslizam lentas como
              leopardos ociosos

(Poemas do livro "Lentus in Umbra")


(Andityas Soares de Moura)


voltar última atualização: 02/09/2010
12017 visitas desde 01/07/2005
Que tal comprar um livro de Andityas Soares de Moura?


  • Auroras Consurgem

  • Fomeforte

  • Oroboro


Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente