A Garganta da Serpente

Andityas Soares de Moura

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

FLORITURA

I - PLENILÚNIO

É preciso
que
existam
alfinetes
            e
              seixos

opressões longínquas

o olho do pássaro
torna-se
amêndoa
              o menino
                      sorri
                            na claridade
triste e comovente                    da estação

A sombra de todos os
mundos contrai-se,
deliciosa e vazia,
no abatjour

ombros são como
dois pães
abandonados
sob a toalha vermelha


Rosto ameno
          quase de uma beleza tácita
                     - aquela que simplesmente
                                         exige

 

II - ARANCIA

As luzes
se apagam
                lentas e lúbricas
                como se olhos
                fossem de improváveis
                                           feras

Para onde agora, que
o caminho é sem fim ?

Gosto de tâmaras azuis

Para onde agora, que
o caminho é sem fim ?

       lençóis conservam ainda a
       loquacidade de conversas cansadas
       e alegres, oh majestades inflexíveis !

Para onde agora, que
o caminho é sem fim ?

terras já tristes e cáusticas convidam
teus alumbramentos a folgar

Para onde agora, que
o
caminho é sem fim ?

(Poemas do livro "Lentus in Umbra")


(Andityas Soares de Moura)


voltar última atualização: 02/09/2010
12012 visitas desde 01/07/2005
Que tal comprar um livro de Andityas Soares de Moura?


  • Auroras Consurgem

  • Fomeforte

  • Oroboro


Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente