A Garganta da Serpente

Anderson Christofoletti

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

QUANDO UM HOMEM AMA UMA MULHER

O vento entoa
A doce endecha
Da partida outonal.

Sublimes
Folhas secas
Escorrem das árvores
Feito lágrimas
Que sabem a despedida.

Um fio de luz tépida
Atravessa a janela
De teu quarto,
Rasgando
O sutil equilíbrio
Entre sombra e luz
Que delineia teu corpo.

A tarde
Parece entregar
Aos teus olhos
O segredo derradeiro
Da estrela da manhã.

O perfume que aflora
De teu cerne
Anuncia tua essência de fêmea ,
Concede ao meu instinto
A carne que este anseia.

O perfeito influxo
De duas linhas
No deslizar de teu ventre
Compõe a fonte
De tua natureza
- De toda natureza humana -
Beleza térrea;
Leveza etérea...

Minha boca entorpecida
À flor de teus lábios
Descobre , então, os laivos
Da vida.

Descobre o amor sem medo
E o amar infindo;
O segredo de Deus
E do mundo.


(Anderson Christofoletti)


voltar última atualização: 23/10/2003
5878 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente