A Garganta da Serpente

Antônio Carlos Tórtoro

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

OS OLHOS DO MEU FILHO

Eu procuro me encontrar
nos inúmeros espelhos
que me fitam sempre atentos.
Não encontro o que procuro
apesar dos meus intentos.
O que busco nos espelhos
são os olhos de meu filho.

Eu procuro me encontrar
debruçado em janelas
que me olham sempre aflito.
Não encontro o que quero,
engasgando o meu grito.
O que busco nas janelas
são os olhos do meu filho.

Eu procuro me encontrar
rogando ao infinito
o auxílio de avatares.
Não encontro o que busco
apesar dos meus pesares.
O que busco no universo,
são os olhos do meu filho.

Procuro encontrar o que almejo,
fruto de uma doação,
nessa sempre incansável corrida,
que aquece o coração.
Para conseguir continuar minha festa
e poder celebrar a vida
quero encontrar o que resta
do brilho do olhar do meu filho.


(Antônio Carlos Tórtoro)


voltar última atualização: 07/08/2007
11720 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente