A Garganta da Serpente

Ana Ventura

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Há um soluço enterrado
no fundo das minhas entranhas.

Não se move, não sai, nem se altera.
Resiste indócil
            estóico
            heróico
às águas que inundam meus olhos.

De longe observo-o atenta.
Entendo seus limites fluidos.

Não foge.
Não se esconde.
Não se manifesta.

Existe - parte insolúvel
                     terrosa
do fundo mais fundo das
minhas entranhas
internas.


(Ana Ventura)


voltar última atualização: 09/03/2009
8981 visitas desde 19/07/2007

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente