A Garganta da Serpente

Ana Ventura

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A curva do teu antebraço
acompanha-me de perto,
respirando-me através da pele,
refulgindo como escama de peixe noturno.

A curva do teu antebraço
é como a curva do meu caminho:
não vai, não volta, e é feita de pensamento.


(Ana Ventura)


voltar última atualização: 09/03/2009
8994 visitas desde 19/07/2007

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente