A Garganta da Serpente

Ana Alice Zanettini

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Decadência

Deixei que você fosse embora, como um pássaro
livre para voar.
Embrulhei suas lembranças e as guardei dentro do peito.
Esqueci em uma caixinha qualquer dentro de mim
Em silêncio ouço os arrulhos das pombas.

Contemplo o azul do céu, busco a essência da minha alma.
No refino suave envolvi com as lembranças.
Meu pensamento voou junto às asas da minha imaginação.
Bailei simetricamente ao som do silêncio.

As emoções reativaram, minha alma vibrou.
O vento suave soprou aos meus ouvidos;
-Que todos os meus dias sejam seus;
-E os seus sejam meus, nossos dias serão estéreos.

Paralisei-me diante das lembranças.
Ruminei os pensamentos...
Meus sonhos transformaram em uma aquarela respingada.
Quantas vezes a esperança riu de mim

Hoje nada mais espero de você.
Rasgo a paisagem da minha vida.
Observo a sua decadência do lado de fora.
Sou uma ave, livre, galgando um doce aconchego sincero.

(2003)

(Ana Alice Zanettini)


voltar última atualização: 30/08/2004
6626 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente