A Garganta da Serpente

Ana Maria Ramiro

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

CLASSIFICADOS

Procuro um amante
de moura estrutura,
com pele morena
e rosto angulado,
que eu lamberia,
tal qual minha cria.

Um amante de olhar fugidio,
que saiba que o olho,
do corpo é o pavio,
atiçando a centelha,
aquecendo o vazio.

Que na curva da nuca,
obtusa, incompleta,
despertasse um desejo acre,
de coisa torpe
que em mim se encerra.

Que a dois,
ficássemos de quatro,
sem culpas nem penas,
apenas as tuas entre as minhas pernas,
esse amante virgílio,
vadio, poeta
e que eu também o penetre
com minhas palavras.

Que ponha os pingos nos is
e o pau nos ós
e sobretudo,
que seja comprometido...
com meus destinos.

Quem dá mais?


(Ana Maria Ramiro)


voltar última atualização: 13/02/2006
7943 visitas desde 14/10/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente