A Garganta da Serpente

Ana Maria Ramiro

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

DESEJOS DE GAIA

Rude amazona eu sou,
a que em teus sonhos vagueia,
a que procura teu sexo,
e sôfrega, lambe teu ventre,
morde teu lábio e orelha,
qual indigitada serpente.

Sou bela, a meu modo,
fera fugidia morando no caos
da tua mente.
Não tenho nome, nem sombra
ou mesmo dono,
sou apenas boca, seio
e coxas valentes,
(a te cavalgar noite após noite).

E sendo eu, assim tão amante,
espectro de fêmea liberta e ardente.
Por que insistes em tua vida deserta?
Por que recuas e me deixas ausente?
Por que, amado, despertas?


(Ana Maria Ramiro)


voltar última atualização: 13/02/2006
7944 visitas desde 14/10/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente