A Garganta da Serpente

Ana Guimarães

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

GRADIVA

Sem precisar estar em Pompéia
na cálida e sagrada hora dos espíritos
vemos seu espectro
(eu e um lagarto imaginário
que foge assustado
interrompendo o banho de sol
na escadaria)
Breve aparição
borboletas-mensageiras do Hades
logo lhe chamam

Resto só, diante de ruínas
(externas e as minhas)
a ouvir o pio sardônico de um corvo
(não mais trinados de canários na gaiola)
e um fiapo de razão me faz pensar:
alucinação
fantasma do meio-dia
ou você em carne e osso? (uma terceira via)

Chamo meu próprio nome
tentando acordar
desse sonho
sempre o amor como mosca
a zunir na cabeça da gente

Gradiva sou eu, agora
a jovem que avança
ainda que em direção ao passado:
arqueóloga da mente
Passo em revista as lembranças
na esperança
de assim continuarmos vivos
inútil paisagem
a visão real de um ramo de flores
fúnebres
logo interpreto como mau augúrio

(Um poema cut-up do estudo psicanalítico de Freud sobre a Gradiva de Jensen)


(Ana Guimarães)


voltar última atualização: 11/12/2007
15858 visitas desde 23/09/2005

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente