A Garganta da Serpente

Álvaro Nobre Junior

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Quando falsa noite

Quando falsa noite d'ilusões vem
ao peito acariciar os belos sonhos
fantasma de um futuro inexistente
imaginação eleva de um céu aberto...

Nos bairros sonham as pessoas,
das lamparinas diversas à sombra,
dias melhores, mesa farta e roupa
que tão distante tiveram um dia!

E o prefeito, o que faz? nada!
Seus dias vazios ocupam o espaço
do seu próprio tempo na barriga farta,
na noite do seu passo!

E a população, o que faz? também nada faz!
Seus ocupados dias, suas cabeças vazias,
Suas fartas línguas de sarcasmo e críticas
Nada deixam fazer na sua melancolia!

Mas sabe a população dos roubos
feitos da cidade nos cofres públicos?!!!
Sabe!, é que da burrice que a acompanha
Não permite mais que solta língua!


(Álvaro Nobre Junior)


voltar última atualização: 01/10/2004
4789 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente