A Garganta da Serpente

Almeida Garrett

João Batista da Silva Leitão de Almeida Garrett
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Eu disse a Deus: – Que importa,
Senhor, à tua glória
que sobre mim se feche a eterna porta
do túmulo, e não tique mais memória
deste verme de um dia na terra que o sumia?

Não foi teu braço forte
que do seio do nada
tirou a vida, e mandou logo a morte
para trazer eterno equilibrado
entre o ser e o não ser
nossa força e poder?

Escrito nas estrelas,
clamado pelos ventos,
bradado pelos mares nas procelas
no céu, na terra, em imortais acentos
Por toda parte está
o nome de Jeová.

Na imensa natureza
a voz do homem é nada.

(3 de Agosto de 1853)


(Almeida Garrett)


voltar última atualização: 30/05/2017
13612 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente