A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Há de chegar o dia
em que a trava não me trave.
Que a treva não me apague.
Que seja finda a ferida.
Finda, por toda vida.

Há de chegar o dia
em que a água rasa
não me afunde, nem me afogue.

Há de chegar o dia
em que a liberdade profunda
dentro de mim acorde.

Há de chegar o dia
em que tudo seja feito
pelas mãos da Divina Ordem.


(Alessio Di Pascucci)


voltar última atualização: 19/05/2017
5985 visitas desde 29/09/2006

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente