A Garganta da Serpente

Alê Quites

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Embebedar-se

Vesti a fantasia do imaginário
E me desloquei da rotina para o desejo
Alardeei com sorrisos
Deixei-me ser apenas voz rouca
Palavras do inconsciente ou pura natureza.

Se eu ficar mais uma vez muito bêbada,
Entro nos desejos e perco a memória
Depois eu resgato a realidade
Respondo pelos atos
Que eu puder recordar.

Quero estabelecer
que se ficarmos os dois
embriagados de felicidade, prazer e amor
deixamos tudo e vamos de trem
depois a gente volta encara a realidade
Vive a ressaca do dia-a-dia.


(Alê Quites)


voltar última atualização: 11/03/2008
6940 visitas desde 01/06/2007

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente