A Garganta da Serpente

Agmael Lima

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

MEU EGO

Rasgo esta alma triste
E jogo os cacos desta
Aos pés da deusa louca
Sedenta de meu corpo cálido.

Grito ao vento que passa
Que jogue ao menos o frescor
Das últimas primaveras
Pra aliviar o meu ego.

Insensata ela dominou-me
Atirou-me no seu calabouço
Sem piedade ou mácula.

E na busca do além-sonho
Depois de ferir minh'alma
Desalmada ela se foi.

(26/06/2006)


(Agmael Lima)


voltar última atualização: 01/03/2008
11792 visitas desde 15/05/2006

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente