A Garganta da Serpente

Agmael Lima

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A LENDA

Ainda que o amor feneça
E desfaleça minh'alma
E de sombras incalmas
O firmamento escureça.

Que o medo me cubra
De gotas de sangue
Das lavas do mangue
De tua boca rubra.

Mesmo que renasça
Das cinzas o espanto
E me cubra um manto
De nua desgraça.

Serei teu amante
Exposto ao cenário
No horto lendário
De almas uivantes.

(01/11/2007)


(Agmael Lima)


voltar última atualização: 01/03/2008
11817 visitas desde 15/05/2006

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2020 - A Garganta da Serpente